Cérebro e Mente

Como utilizar o corpo para gerir emoções

Emoções e pensamentos andam de braço dado. Os pensamentos estão relacionados com circuitos elétricos no nosso cérebro e as emoções com magnetismos no nosso corpo. Neste artigo vamos perceber como utilizar o corpo para gerir emoções e estar mais sereno no dia a dia.

Qual a relação entre pensamentos e emoções

O que sentimos influencia a forma como pensamos e o que pensamos regularmente vai definir o nosso estado emocional. A vibração de um pensamento vai condicionar a emoções que o nosso corpo vai construir. Quero começar por salientar que emoções não são boas nem más, apenas podem servir-nos num determinado momento ou não. A euforia ou alegria intensa pode-nos ser útil quando acabámos de vencer algo, no nascimento de um filho, ou perante uma conquista há muito esperada, mas pode não ser tão adequada na presença de alguém que perdeu um ente querido.

Emoções que não gostamos ou que nos trazem um resultado que nos deixa desconfortável, são um sinal de alerta, isto é, estão lá para nos dizer algo. Por exemplo, se sinto ansiedade antes de uma prova, ou apresentação, talvez isso signifique que estou a acusar muita pressão, talvez não tenha treinado o suficiente, ou talvez esteja preso/a a resultados passados, talvez esteja a dar muita importância a opiniões alheias… Seja qual for a razão, a consciência dela mesma é o principio para começar a mudar. 

O que pensamos, sentimos e a forma com (re)agimos acaba por moldar a nossa personalidade e a nossa personalidade cria, mesmo que inconscientemente, a nossa realidade pessoal. Quando queremos mudar a nossa realidade temos de ir à base, mudar a forma como pensamos e sentimos, ou seja, saber gerir emoções. 

O pensamento está por trás de uma emoção, embora também já se tenha provado que uma emoção “armazenada” no inconsciente pode trazer ao de cima padrões de pensamento.

Pensamentos e emoções condicionam a nossa ação

Penso que já possam ter ouvido frases como: para onde vai o teu foco, flui a tua energia, ou nunca serás maior do que os teus próprios pensamentos. O que todas elas querem dizer é que o padrão emocional e o padrão de pensamento que escolhemos ter como hábito é o que condiciona a forma como agimos.

Se tenho permanentemente pensamentos semelhantes a: “não consigo”, “não mereço”, “corre sempre mal”, “ninguém me entende”… é provável que surjam emoções como humilhação, culpa, ansiedade ou vergonha. Estas emoções negativas (termo adotado por David Hawkins)  ativam o cérebro reptiliano levando à libertação de cortisol e adrenalina, hormonas relacionadas com o stress. Em alguns casos esta libertação pode ser muito benéfica, como quando queremos sobreviver, mas noutros pode ser limitante. Sempre que elevados níveis de cortisol e adrenalina são libertados na nossa corrente sanguínea sem que exista o perigo eminente, a nossa ação vai ser rápida, mas pouco ponderada.

Como mudar pensamentos?

Mudar pensamentos é simples, mas nem sempre fácil. A simplicidade existe quando perante um elevado nível de consciência nos conseguimos distanciar de um determinado padrão de pensamento não deixando que este evolua e optamos por pensar de forma diferente, pensar como uma criança pequena, ou mesmo, substituir esse pensamento por o pensamento de alguém que leva uma vida leve e feliz.

Quando os padrões, quer de pensamento, quer de ação, já estão muito enraizados, ou seja, pensar de certa forma já se transformou num hábito fica mais difícil mudar porque a mente já entrou em piloto automático. Para evitar que o piloto automático se ative é necessário saber abrandar…

Controlar emoções diria que é praticamente impossível, visto ser um processo bioquímico automático do nosso corpo, mas é possível reduzir a sua intensidade e o efeito que têm nas nossas ações. Assim, podemos mudar pensamentos e aprender a regular emoções. 

Porque é que muitas pessoas não conseguem mudar pensamentos?

1 – Porque não sabem como funciona a mente

2- Porque não praticam técnicas de gestão emocional. 

Se queremos mudar padrões de pensamentos e começar a ser mestre em gerir emoções há duas práticas fundamentais a implementar: POWER DYNAMICS (fisiologia) e ATENÇÃO PLENA. 

Como utilizar o corpo para gerir emoções através da fisiologia

Muitos de vocês podem conhecer o trabalho de Amy Cuddy (se não conhecem convido-vos a ouvir a TED que tem no Youtube). Amy faz investigação na área da psicologia social e estuda a forma como a nossa fisiologia, ou seja, a nossa postura e bioquímica influenciam a nossa realidade. Estudos efetuados mostram que os nossos não verbais, isto é, a forma como colocamos o nosso corpo tem um papel fundamental na forma como os outros se sentem em relação a nós, mas o mais importante destes estudos, e que importa para este artigo, é que os nossos não verbais também influenciam a forma como pensamos e sentimos sobre nós próprios. Isto devido à libertação de hormonas que existe nas diferentes posturas. 

A mente é o cérebro em funcionamento

Hoje sabemos que os nossos pensamentos e emoções (mente) mudam o nosso corpo, assim como o nosso corpo muda a nossa mente. Então, se praticarmos a mudança da nossa postura poderemos mudar emoções e pensamentos. O que em si são ótimas notícias, certo?

Todas as posturas relacionadas com confiança, liderança, poder, descontração, afirmação são chamadas de Posições de Poder. Imaginem a posição de poder como a postura dos super heróis ou a postura de um líder inspiracional a fazer um discurso. Quando conseguimos estar numa posição e expressão de Poder durante dois a três minutos os nossos pensamentos começam a transformar-se em pensamentos mais serenos e de confiança. Isto porque nestas posturas o nível de cortisol baixa (a hormona ligada ao stress) e a testosterona aumenta (a hormona relacionada com a energia). Isto sempre me pareceu excelente porque na realidade o que queremos é ser pessoas poderosas e serenas ao mesmo tempo! 

Assim o primeiro exercício que vos sugiro é que quando quiserem ter emoções mais elevadas, fechem os olhos e imaginem uma situação onde se sentiram poderosos e confiantes. Depois de encontrada essa imagem adotem essa postura, fiquem nela durante dois minutos. Antes d e um momento importante adotem esta postura, lembrem-se de utilizar o corpo para sentir e pensar o que querem.

Como utilizar o corpo para gerir emoções através da Atenção Plena

Por outro lado, a gestão emocional está relacionada com o reduzir da atividade das amígdalas, o nosso semáforo emocional. e podemos faze-lo através de exercícios de Mindfulness ou Atenção Plena. Atenção Plena ou Mindfulness não é mais do que estar conscientemente presentes no aqui e agora, e sempre que levamos a nossa atenção para o estar e para as sensações do corpo estamos a fazer com que os pensamentos acalmem.

Experimentam diariamente estar cinco minutos apenas focados na vossa respiração, ou, experimentem começar com a prática de meditação diária. Atletas de alto rendimento já o fazem, e há uma razão para isso. 

Há mais exercícios que se podem fazer para gerir emoções como o MCS (mudança de hábitos utilizando a pausa sagrada), a meditação BODY SCAN, visualização 3P ou o ALFA GAME (exercício ocular que ajuda a equilibrar o sistema nervoso central). Algumas delas são aplicadas por mim em sessões e são ensinadas nos nossos eventos.

Resignificar um pensamento ajuda a serenar emoções

Agora apelo à vossa imaginação, imaginem como seria a vossa realidade se não acreditassem em tudo o que pensam… como seria a vossa vida sem esse pensamento que vos limita?

Deixo a sugestão, quando um pensamento que vos causa desconforto surgir distanciem-se desse pensamento, pensem para vocês: como pensaria a pessoa mais sábia no meu lugar? Como pensaria alguém que vê o mundo de uma forma completamente diferente da minha?

Simplifica, na DOSE certa.